Cicatriz

Fibrose: fuja deste incômodo após uma cirurgia plástica

Todos sabem que, quanto mais técnica e experiência do cirurgião plástico, as cicatrizes e marcas de um procedimento devem ser menores. Porém, fatores como a genética podem influenciar neste processo, além do respeito às recomendações médicas no período pós-operatório.

A fibrose nada mais é do que a cicatrização do tecido, que se forma com a produção de elastina e fibras de colágeno. Como este processo não é regular, a aparência da pele pode ficar ondulada, o que deixa muitos pacientes insatisfeitos, especialmente após uma cirurgia plástica, mas é preciso lembrar que cada pele apresenta um resultado diferente.

Quando identificada e tratada logo após seu aparecimento, as chances de bons resultados com o tratamento são maiores. O tratamento com endermoterapia vibratória associado ao laser age na melhora da fibrose, recuperando a aparência normal da pele. O tempo de duração do tratamento e a frequência das sessões devem ser determinados após avaliação do especialista.

CICATRIZAÇÃO E CUIDADOS COM A PELE

Cuide de sua pele antes e depois de uma cirurgia plástica

É certo que o cuidado com a pele deve ser um hábito, com uma boa limpeza e aplicação de protetor solar. A hidratação também deve fazer parte da rotina e, além de todos os preparativos de uma cirurgia plástica, como escolha da clínica, esclarecimento de dúvidas com o cirurgião plástico e exames, você também precisa cuidar de sua pele. Essa preparação refletirá nos resultados pós-cirúrgicos, como, por exemplo, melhor qualidade da cicatrização e diminuição de hematomas.

Apesar das técnicas modernas, o cuidado com o maior órgão do corpo humano precisa ser levado a sério e muitos pacientes acabam esquecendo desta etapa. Após a cirurgia, o uso de cintas modeladoras, meias, sutiãs, entre outros itens é fundamental para a cicatrização e a regeneração tecidual. Dermocosméticos também podem ser indicados para esta finalidade, além do clareamento e uniformização da tonalidade da pele.

O repouso precisa ser seguido à risca de acordo com as recomendações, para evitar qualquer complicação. Em alguns procedimentos, a drenagem linfática auxilia o organismo na eliminação de líquidos e aparecimento de fibroses, como nos pós-operatórios da abdominoplastia e lipoaspiração. Ao planejar sua cirurgia, não se esqueça dos cuidados com sua pele e esclareça as dúvidas com o médico especialista, pois assim o resultado será mais eficiente.

Os tratamentos mais indicados no pós-operatório

O pós-operatório de uma cirurgia plástica é um período onde muitos cuidados especiais devem ser tomados para garantir uma plena recuperação e os resultados desejados. Por isso, antes mesmo da cirurgia o médico passará todas as orientações, e também fará exames e avaliações para garantir que todos os cuidados necessários sejam tomados. E, para melhorar as condições da pele e garantir uma recuperação mais confortável, alguns tratamentos específicos podem ser indicados depois da cirurgia plástica. Neste post vamos saber mais sobre eles.

Um tratamento para cada fase

Os médicos costumam classificar as etapas do pós-operatório como imediata, mediata e tardia. Na primeira fase, é normal o inchaço e os hematomas, que podem ser minimizados com tratamentos como a drenagem linfática feita com laser, ajudando na oxigenação do tecido e melhorando a circulação do sangue.

Na segunda e terceiras fases após a cirurgia plástica, indica-se a fotomodulação, que irá melhorar o aspecto da pele, diminuindo sua “ondulação” e tratando algum possível enrijecimento. O tratamento com laser vermelho, por exemplo, ajuda na cicatrização, pois estimula a produção de colágeno, e alivia também possíveis dores que o paciente esteja sentindo. O laser também ajuda na drenagem de líquidos e ajuda a evitar a formação de queloides.

Saiba mais sobre os diferentes tipos de cicatrizes

Não há como falar em qualquer procedimento cirúrgico sem que se pense nas cicatrizes. Na cirurgia plástica não é diferente, e no pré-operatório é avaliada o tipo de pele da pessoa, pois assim é possível ter um parâmetro sobre como será sua cicatrização.  Dessa forma é possível evitar ao máximo que as cicatrizes fiquem muito aparentes ou causem qualquer tipo de desconforto estético.
Conheça os tipos de cicatrizes mais comuns:
– Atróficas: elas se assemelham a uma estria, e podem aparecer em pessoas de peles claras e rosadas. Ficam pouco aparentes e suavizam durante o tempo, com o processo de envelhecimento e flacidez da pele.
– Linhas esbranquiçadas: esse tipo de cicatriz é mais comum em procedimentos que exigem um corte linear. Também acometem pessoas com peles muito claras, finas e rosadas.
– Hipertróficas: essas são cicatrizes que ficam elevadas, e por vezes com nódulos. Esse tipo de cicatriz é mais comum em áreas com pele mais espessa, e forma uma sequência de grãos na região da pele que foi cortada.
– Queloide: é a cicatriz que mais se tenta evitar, pois tem um aspecto hipertrófico, ficando espessa e formando uma espécie de cordão que vai além do corte original da cirurgia. Essa cicatriz é mais comum em pessoas de pele negra, além de orientais, indígenas, mediterrâneas ou morenas.
Da Redação